Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 3 de abril de 2013

CARTOGRAFIA

REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS


A cartografia é muitas vezes praticada, porém apenas utilizando “senso comum”. Quando tentamos Chegar a um lugar que não conhecemos utilizando um mapa feito a mão ou mesmo ao consultar o guia de ruas para se localizar e encontrar um endereço, estamos praticando a cartografia. A prática de interpretar seja um mapa ou um guia exige uma leitura cartográfica que para muitos é difícil, exigindo uma alfabetização cartográfica. 

O conhecimento e o domínio sobre os vastos territórios do mundo são possíveis graças a ciência cartográfica, sendo expressos principalmente através dos mapas e das cartas. O espaço geográfico pode ser representado também por plantas, croquis, imagens de satélites, perfis topográficos, maquetes entre outros. 

Sensoriamento Remoto 

Imagem de Satélite 

ELEMENTOS DE UM MAPA

Conceitualmente a cartografia pode se entendida como a arte de passar para o papel o real e para isto precisamos adotar algumas convenções e regras, não podendo faltar em hipótese alguma as informações como: 

- Título: Através do título já conseguimos instantaneamente identificar o tema abordado no mapa. É relacionado com a informação principal do mapa. 

- Escala: É por meio da escala que poderemos demonstrar para o leitor do mapa a relação que foi estabelecida entre o real e o que está projetado no papel. Esta escala pode ser representada no mapa de forma numérica ou de forma gráfica. 


       Escala numérica 
      1:100.000


         Escala gráfica 

Para a leitura da escala (numérica), deve-se entender que o numerador corresponde a cada centímetro do papel e o denominador o tamanho real que será representado no papel. Analisando o exemplo anterior (1:10.000.000), temos então que cada centímetro do papel representa 10.000.000 de centímetros do Real, ou seja, o real foi reduzido em 10.000.000 vezes. 

A escala gráfica tem a vantagem de facilidade na leitura imediata, uma vez que cada centímetro da escala é expressa ao lado com a respectiva distância em Km. 

· Quanto maior for o denominador menor é a escala (menor riqueza de detalhes) 
· Quanto menor for o denominador maior a escala (maior riqueza de detalhes) 

Ou seja, a escala 1:10.000.000 é menor que a escala 1:10.000 

Caso seja necessário a transformação das escalas para Km, atentar-se para a tabela abaixo: 

- Norte geográfico: Identifica a posição geográfica do mapa 

- Legenda: Utilizado para facilitar a leitura dos dados expressos no mapa. Muito útil principalmente nos mapas temáticos, pois sem a legenda a leitura do mapa acaba sendo dificultada. Exemplo abaixo: 


As legendas também podem vir representadas por cores, símbolos entre outros. 


CLASSIFICAÇÃO DOS MAPAS

Os mapas são representações que o homem faz de diversas áreas do planeta Terra. Estas representações podem ser elaboradas de acordo com o interesse. 

De acordo com a classificação, existem mapas físicos como o mapa geomorfológico (relevo), mapa climático (clima de uma região), mapa hidrográfico (hidrografia de uma região) e biogeográfico (vegetação). Existem também os mapas humanos como os mapas políticos (divisão de territórios), econômicos (economia de uma dada área), demográficos (população), histórico (mudanças históricas de uma área) e rodoviário (rodovias e estradas), e por fim existem os mapas temáticos que exibem informações diferenciadas dos mapas físicos e humanos, muito utilizado pelo turismo. 

Mapa político da América do Sul 
Fonte: brasilhistoriamyblog.blogspot.com 

Mapa Físico 
Fonte: webcarta.net/carta/mapa.php 

Mapa temático – São Luis/ Maranhão 


PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS

A projeção cartográfica corresponde a arte de transferência da superfície do globo terrestre para o mapa. Estas projeções podem ser classificadas de três maneiras: 
Conformes: Superfícies são deformadas (áreas), e figuras são mantidas (ângulos); “Mercator” 
Equivalentes: superfícies preservadas (áreas), figuras deformadas (ângulos); “Peters” 
Afiláticas: Equilíbrio nas perdas, ambas apresentam deformadas. 

As projeções podem ser: 

Cilíndrica: Os paralelos e meridianos da esfera do globo são projetados no mapa. 


* Projeção de Mercator: Projeta os meridianos e paralelos. O Equador é representado respeitando as devidas proporções e a elevadas altitudes sofrem distorções. Nesta projeção as regiões polares apresentam muito deformadas. visão eurocêntrica do mundo 


* Projeção de Peters: Apresenta um achatamento no sentido leste-oeste e deformação no sentido norte-sul, dando a sensação de alongamento dos continentes. Esta projeção valoriza os países pobres. 


Cônica: A projeção do globo é realizada em um cone. Esta representação é realizada apenas de um dos hemisférios. 



  

Plana/ Polar ou Azimutal: Produzida com uma superfície plana sobre o globo. A elaboração desta representação tem inicio no "centro de projeção", de onde saem todas as coordenadas. As deformações são mínimas próximo ao centro de projeção. Esta projeção é utilizada para representar áreas polares para focalizar um país ao centro. 



PONTOS DE ORIENTAÇÃO

Os pontos de orientação são representados pelos pontos cardeais, colaterais e sub-colaterais. Os pontos cardeais são pontos de referência, pois utilizando estes pontos podemos nos localizar em diversos pontos do planeta. 


O sol é nossa maior referência, pois o sol nasce aproximadamente na direção leste, logo devemos apontar nosso braço direito sempre para o lado em que o sol nasce (movimento aparente do sol), conseqüentemente o braço esquerdo se estenderá para o oeste, ou seja, para o lado em que o sol se põe. A nossa frente estará o norte e atrás o sul. 

A rosa-dos-ventos é uma figura encontrada em bússolas e é utilizada para facilitar a orientação. Nela temos todos os pontos de orientação. Estes pontos são: 


Pontos cardeais: 

. Norte (N), também chamado "Setentrional ou Boreal". 
. Sul (S), também chamado "Meridional ou Austral". 
. Leste ou Este (E), também chamado "Oriente". 
. Oeste (O/W), também chamado "Ocidente". 


Pontos colaterais: 

· Nordeste - NE, 
· Sudeste - SE, 
· Noroeste - NO ou NW e 
· Sudoeste - SO ou SW. 


Pontos subcolaterais: 

· Norte-nordeste - NNE, 
· Leste-nordeste - ENE, 
· Leste -sudeste - ESE, 
· Sul-sudeste - SSE, 
· Sul-sudoeste - SSO ou SSW, 
· Oeste-sudoeste - OSO ou WSW, 
· Oeste -noroeste - ONO ou WNW, 
· Norte-noroeste - NNO ou NNW. 


* Uma vez encontrado os pontos cardeais (N,S,E e O/W),a nomenclatura para os demais deve seguir a seguinte regra: 

    - Para nomear os colaterais deve-se primeiro colocar a letra dos cardeais que se encontram na vertical da rosa dos ventos (N e S) e depois os outros cardeais (E e O/W). 
    - Para nomear os pontos sub-colaterais deve-se primeiro colocar a letra dos pontos cardeais (N,S,E e O/W) e após as duas letras do ponto colateral (NE, SE, SO, NO). 


Além da rosa-dos-ventos, também podemos nos orientar pela lua, pelo sol e pelas estrelas. No hemisfério sul, o Cruzeiro do sul é utilizado como ponto orientação, já no hemisfério norte a orientação é realizada pela estrela Polar. 

COORDENADAS GEOGRÁFICAS

As coordenadas geográficas correspondem ao encontro de linhas imaginárias traçadas no planeta Terra. As linhas horizontais são conhecidas como “Paralelos”, as linhas verticais são conhecidas como “meridianos”. 

O paralelo principal é chamado de “Linha do Equador” e o meridiano principal é conhecido como “Meridiano de Greenwich”. 

Para se encontrar as coordenadas geográficas é necessário que tenhamos os pontos exatos dos paralelos (Latitude) e dos meridianos (Longitude). Esta duas medidas são obtidas em valores com graus ( º ), minutos (́́ ̀ ) e segundos ( ̏ ). 



Conceitualmente, podemos definir: 

• Latitude: É a distância de um ponto qualquer até a linha do equador e pode variar de 0º à 90º. A linha do Equador divide o planeta em dois hemisférios (Austral/Meridional/Sul e Boreal/Setentrional/Norte). Além da Linha do Equador (0º), ainda temos outros 04 paralelos que se destacam, sendo eles, o Trópico de Câncer (23º 30' N), Trópico de Câncer (23º 30' S), Círculo Polar Ártico (66° 33' N) e Círculo Polar Antártico (66° 33' S) 

• Longitude: É distância de um ponto qualquer em relação ao meridiano de Greenwich e pode variar de 0º à 180º. O Meridiano de Greenwich divide o mundo em dois hemisférios (Oriental/Leste e Ocidental/Oeste). 



O Meridiano de Greenwich corresponde ao meridiano referencial do mundo. Este status foi concebido na conferência dos Meridianos de 1884 com o intuito de padronizar as horas do mundo. 

O antimeridiano corresponde ao meridiano localizado a 180º de distância do meridiano analisado.

LID

A (LID) Linha Internacional de Mudança de Data, é uma linha imaginária. Ao cruzá-la para oeste estaremos adiantando 01 dia e ao cruzá-la para leste estaremos atrasando um dia. Esta linha está localizada no anti-meridiano. 


Os Paralelos também são utilizados para a determinação das zonas climáticas da Terra. Os climas se distribuem nestas zonas climáticas que são compreendidas em: 01 zona quente, 02 zonas temperadas e 02 zonas frias. 

A Zona quente se localiza entre os trópicos de Câncer (hemisfério norte) e Capricórnio (hemisfério sul), já as zonas temperadas se dividem em duas sendo uma ao norte entre o trópico de Câncer e o Círculo Glacial Ártico e outra ao sul entre o trópico de Capricórnio e o Círculo Glacial Antártico. A zona fria também está dividida entre os dois hemisférios, sendo uma acima do círculo glacial Ártico e outra abaixo do Círculo Glacial Antártico, conforme a figura abaixo. 

Zonas Climáticas 


* Antípoda é o ponto contrário á uma determinada coordenada. 

     - Latitude: Conserva o grau e modifica apenas o hemisfério (Ex: 90° N – 90°S) 
     - Longitude: Subtrai o valor de 180° e modifica o hemisfério (Ex: 70°E – “180-70=110°W) 

Antípodas do mundo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário